15.1.08

O papel do educador

O educador nunca deveria ser visto como alguém capaz de se sobrepor à sua sociedade e de encaminhar a revolução e a transformação social necessárias. Antes, seu papel deve ser de transmitir, no diálogo com seus alunos, não só conhecimentos, mas também formação de consciência. Neste sentido, é importante a afirmação de valores, a reflexão crítica/autocrítica, as convicções e as dúvidas. A educação, no âmbito do esforço daqueles que lutam por uma democratização mais efetiva da sociedade, não pode engessar os valores, ou esvaziar a práxis, transformando-a num jogo estéril.

Marcadores:

10 Comentário(s):

  • At 16 de janeiro de 2008 08:09, Blogger Alysson Amorim said…

    Amigão,

    Seu condensado texto apresenta um profundo conteúdo revolucionário. Oxalá nossos educadores estivessem comprometidos não só com a transmissão de "conhecimentos, mas também (com a) formação de consciência." Eis aí a fórmula de uma educação para liberdade, algo bem longe do que se faz nos nossos currais escolares.

    Aquele Abraço.

    P.S: Provavelmente no Sábado estarei no Rio de Janeiro. Te ligarei caso isto aconteça.

     
  • At 16 de janeiro de 2008 14:57, Anonymous Edson Marques said…

    Síntese.


    Esse teu poder de síntese é louvável!

    Deixo o link de um texto meu sobre O Professor.


    Abraços, flores, estrelas..

     
  • At 16 de janeiro de 2008 18:30, Blogger Pablo Ramada said…

    é verdade meu caro, e nós cristãos, cada um de sua forma, dada por Deus, somos educadores. Com que responsabilidade e intenção temos realizado esse papel?

    abraços

     
  • At 16 de janeiro de 2008 19:58, Blogger DairHilail said…

    és certamente um grande educador...

    deixo um beijo Felipe

     
  • At 17 de janeiro de 2008 16:00, Blogger Paulo Roberto said…

    Tbm acho que não devemos só aprender português, matemática etc...
    Acho que outros valores deveria exisitir dentro de um diálogo amplo com os educadores, mas falta a conscientização dos próprios educadores.
    E ainda acho que o problema não seja a mau remuneração, e sim a mau formação.
    Abraço!

     
  • At 18 de janeiro de 2008 00:33, Blogger Júlio Diniz said…

    Olá, Felipe!

    Como o Edson Marques ressaltou, eu também gosto muito de seu poder de síntise.

    Sinto que o educador se desdobra sobremaneira nesse processo,e todo esforço parece ficar pulverizado. Isso quando não é sufocado pela configuração dos sistemas educacionais tal como se apresenta na atual conjuntura: um número cada vez maior de instituições, especialmente as particulares, que primam pela formação técnico-científica para inserção de seus alunos num mercado extremamente concorrente.

    E é aí que vejo todo esforço ser pulverizado.

    O caminho proposto em sua síntese poderá ser percorrido sim, acredito eu,na medida em que a percepção do educador capacitado para tal se coadunar com a reedição das ideologias e das políticas das instituições escolares.

    Abração!!!

     
  • At 18 de janeiro de 2008 00:34, Blogger Júlio Diniz said…

    *Síntese

     
  • At 19 de janeiro de 2008 09:22, Blogger Janete Cardoso said…

    Adorei o carinho!
    Me sinto lisonjeada...
    Amo sua amizade! beijos

     
  • At 19 de janeiro de 2008 19:49, Anonymous Edemir Antunes said…

    É no caminho que educamos e somos educados.

    É nas casas longe do caminho que deseducamos e somos deseducados.

    Portanto, sejamos cotidianamente uma comunidade aprendente.

    Um forte abraço!

     
  • At 21 de janeiro de 2008 13:13, Anonymous Anônimo said…

    gostei bastante do blog, sugiro também este:
    http://designinteligente.blogspot.com/

     

Postar um comentário

<< Home