18.3.09

Uma breve digressão sobre condição humana a partir da poesia

Não é fácil pegar a estrada. O poeta Robert Frost, em “The road not taken” (“A estrada não percorrida”), já nos lembrava que não se pode viajar em dois caminhos. Ora, não é a vida uma jornada? Tomamos decisões e fazemos escolhas. Examinamos dois caminhos para decidir qual deles percorrer. Viver é, portanto, pagar o preço de seguir um caminho, como lemos nos versos frostianos:

Two roads diverged in a wood, and I—
(Dois caminhos divergiam num bosque, e eu—)
I took the one less traveled by,
(Eu tomei o menos viajado,)
And that has made all the difference.
(E isso tem feito toda a diferença.)

Contudo, a diferença sobre a qual o famoso poeta americano está falando não é possível em um mundo cujo fim é — ou será — “não com um estrondo (“bang”), mas com uma choradeira”. Foi outro grande poeta, T. S. Eliot, quem nos mostrou que não podemos completar a Oração do Pai Nosso. Aliás, se tomamos um caminho na vida, tomamos como “pessoas ocas” (“hollow men”). Nada há dentro de nós além de “palha”. Somos fragmentados como “vidros quebrados” debaixo de “pés de ratos”. Nossa força está “paralisada”; nossos gestos, “sem movimento”; nossas vozes, “secas”. Há esperança para seres tão vazios? Talvez qualquer resposta para esta pergunta soe “quieta e sem sentido”. De fato, quando nossas orações ficam cada vez mais quebradas, nosso vazio dificilmente é preenchido por uma força transcendental. A esperança se esvai diante de tal fraqueza. Nossa condição humana é “oca”.

Mas o vazio não deveria nos assustar. “Desert places” (“Lugares desertos”), um outro poema de Frost, nos traz a lembrança de que nossos espaços vazios são tão naturais como a “neve”. A propósito, a brancura da neve está ligada à solidão, pois ambas são desertas. Logo, é da natureza o estar só, inclusive da natureza humana.

They cannot scare me with their empty spaces
(Não podem me assustar com seus espaços vazios)
Between stars—on stars where no human race is.
(Entre as estrelas—nas estrelas onde nenhuma raça humana está.)
I have it in me so much nearer home
(Tenho isso em mim, tão perto de casa)
To scare myself with my own desert places.
(Para assustar a mim mesmo com meus próprios lugares desertos.)

“Tenha cuidado”, talvez diria um outro poeta. O que está perto não é palpável, como lemos nos versos de E.E. Cummings:

I cannot touch because they are too near.
(Não posso tocar porque estão muito perto.)

Estas palavras paradoxais nos ensinam que a vida pode ser “algum lugar para onde nunca viajei” (“somewhere i have never travelled”, é o título do poema). No entanto, isso não é motivo de tristeza, mas de alegria. “Alegremente para além de qualquer experiência”, Cummings explica. É claro que o poeta está falando de amor aqui, mas o que é o amor para uma pessoa que pronuncia os seguintes versos?:

my life will shut very beautifully, suddenly,
(minha vida se fechará de modo muito belo, repentino,)
as when the heart of this flower imagines
(como quando o coração desta flor imagina)
the snow carefully everywhere descending;
(a neve caindo com cuidado em cada lugar;)

Creio que a musa de Cummings é a própria vida, porque, como ele conclui, “ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas”. Fecha-se o poema com esta frase, que revela a fragilidade da amada, assim como a vida. É frágil, porque dela não podemos fugir. Esta é a nossa condição.

Estamos condenados à vida, cujos problemas e questões são intrínsecos a todos nós. O papel da poesia é nos mostrar o que não queremos ver. Que há uma estrada a se pegar, apesar do preço a pagar. Que não passamos de pessoas ocas... e também fracas. Que tal como a neve está para a branquidão assim estamos para a solidão. Que nada se pode tocar por muito perto de tudo estar. Eis a nossa condição.


Marcadores:

5 Comentário(s):

  • At 18 de março de 2009 17:21, Blogger Tamara Queiroz said…

    "Que nada se pode tocar por muito perto de tudo estar". Realmente, é natural que o que está perto não seja palpável. Um exemplo próximo disso, é o olho. Nós não conseguimos enxergar nitidamente aquilo que está muito próximo dele. Ele não vê a textura do objeto e, talvez, não saiba identificá-lo.

    O verso isolado causa-me preocupação, porque assusto-me e muito! com as pessoas que aceitam suas vidas ocas: Não podem me assustar com seus espaços vazios. Dependendo da situação, meu choro é alto de tanto pavor. Pior quando chamam-me de insensata por mostrá-las caminhos diferentes de chão pouco batido. Mas também apaixonei-me pelo verso completo, aprendi um novo exercício.

    (...)


    ...
    Fanuel, adorei!

    Quero conhecer mais esses caras todos. Agradecida por apresentá-los.

    B-jos

     
  • At 19 de março de 2009 13:36, Blogger Rubinho Osório said…

    A poesia é uma arma formidável. Exprime a profundidade da alma e nos eleva aonde podemos ver/sentir as coisas com mais clareza.
    Belo e profundo texto!!! E poético!!!

     
  • At 20 de março de 2009 19:23, Blogger Cleinton Gael said…

    olá, grande fanuel.

    o espaço vazio é o lugar do drama. e, sem o drama, a vida não é; não acontece. vira graça sem graça.
    e desgraça a gente. só o vazio interessa, pois solidariza; oferece-se para que o Ser possa morar. é no nada que se revela o Ser. o nada é gentil, pois. não deveria assustar tanto...

    parabéns pelo texto, amigo.
    obrigado pelas dicas de leitura.

    liberdade, beleza e Graça...
    http://cleintongael.blogspot.com

     
  • At 23 de março de 2009 17:37, Anonymous edson marques said…

    sim, estamos condenados à Vida!

    Saudades das tuas intervenções, lá no blog Mude.

    Abraços, flores, estrelas..

     
  • At 24 de março de 2009 13:28, Blogger Marlene Maravilha said…

    Felipe, creio que este é o teu melhor post, nao deixando de gostar dos outros, é claro!
    Realmente a vida é feita de escolhas e todo o meu futuro depende destas escolhas, portanto, viver é mesmo pagar o preco e seguir o caminho escolhido, e ainda dando gracas por tudo e em tudo!
    beijo grande e Deus te abencoe!!!

     

Postar um comentário

<< Home