3.1.09

Teologias de vanguarda

É curioso que em um país como o Brasil, onde se desenvolveu, como em muitas partes do mundo, discursos de libertação na teologia, haja intelectuais dispostos a se pronunciarem de maneira pública contra movimentos teológicos que visam a transformação da realidade em consonância com outros movimentos sociais.

Este foi o caso do professor do curso de Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Luiz Felipe Pondé, que através de uma infeliz opinião em sua coluna semanal no jornal Folha de S. Paulo (acesse via Pavablog), fez jus à pecha de conservador, ao não apenas detratar com ironia as tendências de vanguarda dentro da teologia, mas também fazer um julgamento precipitado a respeito do assunto que considera uma questão de mero gosto pessoal. Leia o que ele diz:

A teologia feminista diz que ‘a Deusa’ existe para punir o patriarcalismo. A teologia bicha (Queer Theology) se pergunta: por que Jesus viveu entre rapazes, hein? Alguns latino-americanos vêem Nele um primeiro Che, hippies viam um primeiro Lennon, outros, um consultor de sucesso financeiro. Ufólogos espíritas dizem ser Ele um extraterrestre carinhoso. Prefiro o cristianismo antigo. (...) O Cristo antigo é um clássico. Melhor do que essas invenções da indústria teológica de vanguarda, feitas para o consumo moderno.

É possível que ao criticar os movimentos inovadores dentro da teologia, caricaturados por ele como “invenções da indústria teológica de vanguarda”, Pondé caia no mesmo conservadorismo da Inquisição, que em nome da fé correta, perseguia quem pensava diferente a respeito dos dogmas. Pondé julga as outras teologias a partir de um paradigma teológico que para ele deve ser o correto.

Acredito que as pessoas tenham o direito de enxergar a religião conforme aquilo que faça sentido para as suas vidas, sem serem julgadas por isso, mesmo que estejam distantes da teologia clássica. Afinal, esta liberdade de pensamento em assunto religioso é assegurada pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, no seu artigo XVIII:

Todo ser humano tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, em público ou em particular.

Pondé, meu caro, leio suas idéias toda segunda-feira, mas, desta vez, não deu para ficar só na leitura silenciosa. Desculpe-me pelo barulho.

Marcadores:

4 Comentário(s):

  • At 4 de janeiro de 2009 12:24, Blogger Alysson Amorim said…

    Felipe,

    Nada contra as teologias de vanguarda (que até onde sei, tem interesses mais do que legítimos), mas essa história de querer colocar em Cristo a roupa e apetrechos do teólogo, seja saia ou peruca, barba ou foice, soa como uma monumental piada.

    Um abraço.

     
  • At 5 de janeiro de 2009 15:29, Blogger Rubinho Osório said…

    Pondé tem o direito assegurado a dar umas mancadas, assim como essas "vanguardas". Questão de preferência, não?

     
  • At 13 de janeiro de 2009 11:25, Anonymous Anônimo said…

    "mesmo conservadorismo da Inquisição, que em nome da fé correta, perseguia quem pensava diferente a respeito dos dogmas" ... hoje há uma ditadura do moderno, do "liberal". Se você não concorda com o que é moderno e "liberal" (com aspas mesmo), você é a inquisição, é reacionário, é preconceituoso, blá, blá, blá ... o certo é sempre dizer amém às novas idéias, aos novos dogmas, mesmo quando sejam completas asneiras. Senhores, a manifestação do Pondé é perfeitamente válida. O trecho critica essa tendência de dar a Cristo e à religião as cores que se deseja, sempre buscando validar as próprias opiniões, como disse o Alysson Amorim: "a roupa e apetrechos do teólogo".

     
  • At 18 de janeiro de 2009 16:08, Anonymous technology said…

Postar um comentário

<< Home