2.10.08

Sermão do Mau Ladrão (*)

(*) Inspirado no Sermão do Bom Ladrão, de Padre António Vieira. Disponível em
http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/fs000025pdf.pdf

Si tu es Christus salvum fac temet ipsum et nos. (Lc 23,39)

I

Este sermão, que se prega nos chamados tempos pós-modernos, e não nos tempos modernos ou pré-modernos, está interessado em um tema de todos os tempos, mas que, por ser de todos os tempos, não pertence a tempo algum. E por quê? Porque o texto em que se funda o mesmo sermão não fala de uma característica que é só daquele tempo ou deste tempo, mas que sempre existiu e sempre existirá na história da humanidade. O texto descreve os dois crucificados ao lado da cruz de Jesus como “malfeitores”, como aqueles que cometeram crimes ou delitos condenáveis. Sabemos com todas as letras que eles são criminosos. Alguma coisa fizeram para estar ali na cruz. Durante parte de sua vida, estiveram dedicados à maldita arte de pegar o que não lhes pertencia. Isto é algo apenas dos tempos de Jesus e dos nossos tempos? Não. Porque a atitude desses homens lembra a atitude do primeiro dos homens, Adão. O Senhor Deus disse a Adão: “De toda árvore do jardim podes comer livremente; mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás.” (Gn 2,16s) Aquele fruto da árvore do conhecimento era a única coisa que não pertencia a Adão no Éden. E ele foi querer justamente experimentar daquilo que não era seu. Ele roubou da árvore que não lhe pertencia. Qual foi a conseqüência deste roubo? Ele foi expulso do Paraíso. Pagou um preço alto por isso. Adão saiu do Jardim, porque a raça humana, através de sua atitude, provou não ser digna de confiança e predisposta ao mal. Deus tirou Adão do lugar onde furtou para que ele e nós, seus descendentes, não roubássemos novamente daquela árvore que a ninguém pertence senão ao Criador. Qualis terrenus tales et terreni et qualis caelestis tales et caelestes. “Como foi o primeiro homem terreno, tais são também os demais homens terrenos”. (1 Co 15,48) Ou seja, nós somos tão ladrões como Adão, o nosso primeiro pai, foi ladrão. Se Adão roubou, todos nós roubaríamos naquele tempo, roubamos neste tempo, e roubaremos no tempo futuro.

Si tu es Christus salvum fac temet ipsum et nos. Quem está ali a dirigir essas palavras a Jesus? Não somos nós, aqueles que uma vez roubaram, hoje roubam e sempre roubarão no porvir? Esta é a lembrança que devem ter todas as pessoas de todos os tempos, sejam quais forem. Que se lembrem da sua condição de maus ladrões. Este é o assunto a respeito do qual hei de pregar. Peçamos a Graça.

* * *

[Continua]

Marcadores:

6 Comentário(s):

  • At 2 de outubro de 2008 15:50, Blogger Roger said…

    Muito bem sacada essa, Felipe,

    gostei do início. Gostei muito.

    Uma coisa porém achei que foi um pequeno deslise: Deus tirou os do paraíso não para não tocarem mais naquela árvore, mas privando-os agora da outra árvore que estava no meio do paraíso.

    Aguardaremos a sequência,

    fraternalmente,

    Roger

     
  • At 3 de outubro de 2008 22:31, Blogger Marlene Maravilha said…

    Eu gostei muito Felipe, mas as vezes tambem penso, que eu nao deveria ter culpa, porque nao sou ladra, pelo que outros ladroes roubem, e, no entanto,lendo o trecho em questao, sinto-me ladra!
    beijossssssssss e um feliz final de semana!

     
  • At 3 de outubro de 2008 23:55, Blogger Alysson Amorim said…

    A memória também faz esse serviço: nos mostra como somos pavorosos; como é cheio de armadilhas, o coração humano, que desejando o bem "com demais força, de incerto jeito, pode já estar sendo se querendo o mal por principiar".

    A diferença entre o bom e o mal ladrão é tão sutil como um furto.

    Abraços.

     
  • At 4 de outubro de 2008 02:08, Anonymous edson marques said…

    Felipe,

    Gostei muito e espero a continuação!


    Assim como Jesus, na cruz, não era culpado do "crime" que lhe imputavam, será que os outros dois, que lhe faziam companhia naquele momento, também não poderiam ser inocentes?!

    Deram-lhes, efetivamente, o contraditório?


    Abraços, flores, estrelas..

     
  • At 4 de outubro de 2008 14:04, Blogger Janete Cardoso said…

    Até o primeiro lugar da minha vida, às vezes tento usurpar. Cada vez que minha carne vence meu espírito, estou me colocando num lugar que não é meu.

     
  • At 4 de outubro de 2008 17:44, Blogger Lindoélio Lázaro said…

    E aí, brother!?

    Indiquei você, com seu blog, ao prêmio Dardos!
    Confere lá no meu blog os detalhes sobre o mimo, http://oslazaros.blogspot.com

    Parabéns pelo blog!
    Um abração!

     

Postar um comentário

<< Home