29.12.07

Pós-Natal

O último pedaço de panetone é compartilhado com as crianças। Aquela cesta fez milagre. Foi um presente da patroa, que, após a faxina, resolveu fazer um agrado para a pobre mãe. Pouca coisa havia ali. Só o suficiente para comer diferente no Natal. A caixa de chocolate garantiu a breve festa da criançada. O peru assado trouxe um gosto diferente do frango de domingo. As nozes e as frutas exóticas, embora não parecessem interessantes ao paladar dos filhos, serviram de petisco na hora do drinque. Satisfeito, o pai já tinha se esquecido do gosto do vinho. (Além da cachaça de cada dia depois do trabalho, ele, às vezes, experimentava uma dose de catuaba no boteco.) Sua esposa preferiu refrigerante, mas não resistiu a uma taça. O bastante para dizer “Que delícia!”. De relance, lembrou das canções ouvidas horas atrás na igreja. “Natal, Natal, é-nos nascido o rei divinal!”, cantou na memória, arremedando um coro. Não lia muito a Bíblia, mas sabia que Jesus nasceu na manjedoura, ao lado de bois e vacas, e que três magos o visitaram, seguindo uma estrela. Do jeito que estava no presépio. “Mamãe, Jesus era pobre?”, pergunta-lhe seu filho mais velho, de doze anos. Insegura, a resposta foi afirmativa. “Passou da hora de dormir. Pra cama!”, decreta a genitora. Naquela noite, tudo foi diferente. Mas, agora, era aquele último pedaço de panetone que tanto incomodava. À seguinte advertência materna, as crianças resolvem obedecer: “Coma logo, porque amanhã será pão dormido!”

Marcadores:

4 Comentário(s):

  • At 29 de dezembro de 2007 12:55, Blogger DairHilail said…

    no meio do meu caminho...vejo desejar-te um feliz ano novo e que o Natal tenha sido maravilhoso...

    1 beijo

     
  • At 29 de dezembro de 2007 22:28, Blogger Janete Cardoso said…

    Seus contos são muito envolventes,
    tô adorando vir ler! beijos

     
  • At 30 de dezembro de 2007 12:07, Blogger Alysson Amorim said…

    Meu Amigo,

    Que nas casas do Mestre, nos Barracões dele, haja farto vinho o ano todo! Afinal, a gente não quer só comida...

    Um Abração.

     
  • At 30 de dezembro de 2007 20:17, Anonymous Edson Marques said…

    Felipe,


    Belíssimo conto!

    Neste Natal, Jesus também multiplicou meu panetone.



    Agradeço pelos comentários tão amáveis deixados no blog Mude.

    E aquela frase do teu professor no Seminário ("sou mil possíveis dentro de mim, mas não vou me deixar ser levado por apenas um.") ainda dança em meu coração.

    Obrigado por ela também!




    Abraços, flores, estrelas e um 2008 glorioso para você e teus amores!

     

Postar um comentário

<< Home