20.8.07

Amadis de Gaula: incerteza e beleza

O romance de cavalaria nunca mais foi o mesmo desde o surgimento de Amadis de Gaula, nascido na Península Ibérica, principal potência mundial naquele momento. Conhecida por eternas incertezas quanto à sua formação, esta obra contribuiu muito para o exercício autoral de refletir sobre literatura a partir do próprio texto literário. É, pois, um clássico que marcou o cânon da literatura mundial como um dos mais famosos textos de cavalaria, cuja leitura provocou o interesse de diversas gerações. Dizem até que, depois da Bíblia, Amadis de Gaula foi o livro mais lido em toda Europa.

Sendo a data de sua origem imprecisa, Amadis de Gaula se destaca como importante obra no período onde se difundiram bastante as novelas de cavalaria, isto é, no século XVI. No entanto, sabe-se que este trabalho, cuja autoria é atribuída, não sem alguma dúvida, a João Pires de Lobeira, existe desde, pelo menos, o século XIV.

É justamente tal problema histórico-literário, de incerteza quanto à data e ao autor, que levanta dúvidas quanto ao gentílico desta obra. Afinal, originalmente, a redação do texto está em língua portuguesa ou castelhana? O motivo deste embate reside no fato de haver argumentos para ambas as possibilidades. Por um lado, o próprio autor — provavelmente reconhecido como tal somente a partir de 1880, por ocasião da publicação do Cancioneiro de Colocci-Brancuti — é um trovador de origem galego-portuguesa, o que reforça Portugal como pátria-mãe de sua obra. Por outro lado, a divulgação desta publicação é animada pela Espanha, sendo inclusive sua primeira edição a que se tem registro, deixada a cargo do espanhol Garci Rodriguez de Montalvo, quem ordenou, emendou e atualizou o texto final, lançado em castelhano, por volta de 1508.

Todavia, não é certo que a autoria dos quatro livros completos que compõem Amadis de Gaula tenha se restringido a uma só pessoa, pois Vasco de Lobeira aparece como um possível co-autor que deu continuidade à trama iniciada por João, quem teria composto apenas os primeiros livros. Tampouco é difícil precisar se a versão espanhola estava preocupada com autoria, haja vista que era normal, por costume medieval, se omitir os autores de uma obra.

Mesmo que não se saiba qual seja o autor, é notável a qualidade da escrita deste livro. É impressionante, por exemplo, a maneira sutil com que o escritor descreve a seguinte cena — perfeição difícil de ser alcançada por autores contemporâneos, que tendem a ser mais explícitos que implícitos em se tratando de uma descrição de um episódio como o que está infracitado. Observem:

Oriana deitou-se sobre o manto de donzela, enquanto Amadis se desarmava, que bem preciso lhe era. Como a donzela fosse dormir para debaixo de umas árvores espessas, Amadis, desarmado, voltou para o pé de sua senhora. E, quando a viu assim tão formosa e em seu poder, tendo ela acedido ao seu desejo, ficou tão torvado de prazer e enleio que nem se atrevia a olhar para ela. Pode por isso dizer-se que naquela verde erva, e em cima daquele manto, mais por graça e cometimento de Oriana que por desenvoltura e ousadia de Amadis, foi feita dona a mais formosa donzela do mundo. E, crendo com isso resfriar as suas ardentes chamas, ficaram, ao contrário, muito mais acrescidas, fortes e encendidas, como acontece nos sãos e verdadeiros amores.

Marcadores:

10 Comentário(s):

  • At 21 de agosto de 2007 21:12, Blogger elsa nyny said…

    felipinho!!!
    Muito interessante!
    agora convido-te a - JUNTAR AS TUAS MÃOS...POR UMA CAUSA! Vem colaborar!

    beijinhos!

     
  • At 22 de agosto de 2007 21:36, Anonymous Priscila said…

    Ol� querido,

    Esta introdu�o � obra Amadis de Gaula e seus coment�rios durante a sua leitura me fizeram querer l�-la tamb�m. Este livro j� est� em minha lista das leituras de metr� e esteira! Muito legal este post.

    Beijos

     
  • At 22 de agosto de 2007 21:39, Anonymous Priscila said…

    Ola querido,

    Esta introducao a obra Amadis de Gaula e seus comentarios durante a sua leitura me fizeram querer le-la tambem. Este livro ja est� em minha lista das proximas leituras de metro e esteira! Muito legal este post. Beijos
    Obs. O texto esta sem acento propositalmente devido a problemas no teclado.

     
  • At 22 de agosto de 2007 23:06, Blogger PPRamada said…

    Sou um descobridor de "coisas" interessantes, e que descoberta fiz nesse blog.

    Deus te abençe!

     
  • At 23 de agosto de 2007 06:34, Blogger Marlene Maravilha said…

    Sempre aprendo quando venho aqui meu querido irmão!
    beijos

     
  • At 23 de agosto de 2007 10:11, Anonymous Anônimo said…

    Que bem fazem aos meus ouvisos os romanticos!!!

    Abraço

    Maria

     
  • At 24 de agosto de 2007 15:00, Blogger Alysson Amorim said…

    Uau!

    Devo dizer que o trecho transcrito no final me fez esquecer toda controvérsia em torno da autoria ou da nacionalidade do livro. Muito bom.

    Abraços

     
  • At 25 de agosto de 2007 09:27, Blogger Andreia do Flautim said…

    Voltei!

    Bom fim de semana para ti!

     
  • At 26 de agosto de 2007 13:11, Anonymous Edson Marques said…

    Felipe,


    eu não conhecia "Amadis de Gaula". teu texto, brilhante, aguçou-me essa curiosidade inicial.

    Vou ler mais sobre.


    Abraços, flores, estrelas..


    .

     
  • At 29 de agosto de 2007 20:06, Blogger elsa nyny said…

    Felipinho!
    Hoje venho agradecer a tua gotinha e VAMOS CONTINUAR a lutar pela paz do DARFUR!


    BEIJINHOS para ti e para a Pri!!!

     

Postar um comentário

<< Home