18.11.09

O que é religião?

Definir é estabelecer limites, de-limitar. É por isso que não pode ser tomada como definitiva nenhuma tentativa de resposta à pergunta “O que é religião?”. O máximo que podemos fazer é apresentar discussões em torno desta pergunta.

Falar de religião é refletir sobre aquilo que faz sentido para a vida das pessoas. Sentido esse que está para além da nossa própria condição de gente, porque é um sentido último. Por ser último, este sentido diz respeito a algo que é supremo, que ocupa um lugar especial em nossas vidas. É exatamente neste lugar especial, neste lugar supremo, neste lugar último, que está a religião. A religião é uma “preocupação última”, já dizia Paul Tillich.

Sendo assim, a religião não deve ser vista como uma função especial da vida espiritual do ser humano, mas como uma dimensão da profundidade em todas as suas funções. Não deve ser vista como moralidade, conhecimento puro, estética ou arte, muito menos como mero sentimento subjetivo. A religião está na profundidade de todas as funções e na totalidade da vida espiritual do ser humano, naquilo que é último, infinito, incondicional de nossas preocupações.

Não se pode rejeitar a religião, já que só poderíamos fazê-lo em nome dela mesma, em nome de algo que nos toca incondicionalmente. Afinal, antes de tudo, nós somos tocados até as profundezas por algo que não somos capazes de descrever completamente em palavras. Trata-se de algo último, algo infinito, algo incondicional. Algo de que não podemos fugir.

Esta é a essência da religião. Ela está presente em todas as pessoas. Ela faz parte da nossa vida. Ela é tudo aquilo que transcende nossas preocupações temporárias e provisórias. Ela é tudo aquilo que nos toca incondicionalmente, para além da nossa própria condição humana. Tem a ver com aquilo que faz sentido para as nossas vidas.


Marcadores:

15 Comentário(s):

  • At 18 de novembro de 2009 17:44, Blogger Cleinton Gael said…

    Tudo na vida tem um momento mais acertado de resposta, Fanuel.
    Tempos atrás um outro texto seu falava sobre religião e meu comentário foi praticamente zombado por uma outra comentarista.
    Sinto-me agora contemplado, pois o que defendi à época ganha agora razão de ser, com seu belo texto.
    Sim, somos religiosos!!
    há braços.

    liberdade, beleza e Graça...
    http://cleintongael.blogspot.com

     
  • At 18 de novembro de 2009 17:51, Blogger Cleinton Gael said…

    PS: Max Weber diz a mesma coisa, apesar de se mostrar ateu: "religião diz respeito àquilo que faz sentido para a vida das pessoas". WEBER, Max. "Ciência e Política: duas vocações".

     
  • At 18 de novembro de 2009 18:32, Blogger Roger said…

    Já sentíamos falta!

     
  • At 18 de novembro de 2009 22:06, Blogger Tamara Queiroz said…

    Não há muita preocupação?

    .
    .
    Lindo:

    Em nome de algo que nos toca incondicionalmente. Afinal, antes de tudo, nós somos tocados até as profundezas por algo que não somos capazes de descrever completamente em palavras. Trata-se de algo último, algo infinito, algo incondicional. Algo de que não podemos fugir.


    Creio não conseguirmos expressar em palavras, porque esse algo [esse eu! (eu em Deus, Deus em eu!)] não pertence ao plano intelectual. Mas há muitas pessoas que bem o expressam de maneiras diversas: você é uma delas.


    Um beijo,

     
  • At 19 de novembro de 2009 13:14, Blogger Rubinho Osório said…

    É preciso separar a religião institucionalizada da religião mencionada lindamente por você. É possível ser religioso - no segundo sentido - sem ter religião - no primeiro sentido.
    Há aqueles, porém que não admitem essa possibilidade e creem que todos devem ter uma religião - no primeiro sentido - para poder ser religioso - no segundo sentido. E mais, a religião tem que ser especificamente aquela da qual fazem parte, seja budismo, islamismo, luteranismo ou calvinismo.
    Haja paciência!

     
  • At 19 de novembro de 2009 18:16, Blogger Cleinton Gael said…

    Religião é um "fato social", segundo Durkheim. Não existe, portanto, religião de uma pessoa só. Pode existir espiritualidade; religião, não.
    A questão de institucionalizar a temática tem a ver, penso, com a organização, pois cada um tem uma cabeça diferente e dificilmente se poderia abarcar visões tão díspares sem um nível, que defendo mínimo, de institucionalização.
    No entanto, causa-me surpresa perceber que "os dois tipos de religião" só tenham surgido agora, e não quando da ocasião de outro texto, onde quase todos refutaram a condição de "ser religioso", em busca de algo "poético"/"lírico".
    Meu debate não era com o Sr. Rubinho Osório, mas senti-me sim motivado a escrever o que agora escrevo, a partir de seu texto.
    Digo, porém, desde já, que minha intenção nunca foi ofender ou polemizar com quem quer que seja, todavia, acho que o debate precisa se dar e a humildade aparecer. Eu acho que isso é bonito.

    liberdade, beleza e Graça...

     
  • At 19 de novembro de 2009 18:39, Blogger Cleinton Gael said…

    PS e silêncio posterior: "Religião é a CAIXA PRETA do indivíduo".

    liberdade, beleza e Graça...

     
  • At 23 de novembro de 2009 09:59, Blogger vitrola said…

    Fala, Felipe.
    Cheguei até aqui por lá. rs.
    Lá é o Pavablog.

    Gostei de seus textos, li alguns.

    Ah, legal isso. Reinterpretação do óbvio.

    Volto para lê-lo mais vezes.
    Bjos

     
  • At 25 de novembro de 2009 05:11, Anonymous Edson Marques said…

    Felipe,

    Texto irretocável, o teu.
    Aliás, como sempre.

    Hoje republico meu texto sobre Jó, e também aquela tua crítica sobre ele (se você permitir).


    Abraços, flores, estrelas...

     
  • At 3 de dezembro de 2009 11:30, Blogger Wanda said…

    Olá, amigo!
    Belo texto como tudo o que escreve.
    Muitas saudades.
    Paz pra vc.

     
  • At 13 de dezembro de 2009 16:01, Blogger DE-PROPOSITO said…

    Enquanto a chuva
    Escorrer da minha vidraça
    E furar o telhado
    Daquele farrapo de homem que além passa
    Enquanto o pão
    Não entrar com a Justiça
    Lado a lado
    Mão a mão
    Nem Jesus vem
    Andar pelos caminhos onde os outros vão
    Um dia
    Quando for Natal
    (E já não for Dezembro)
    E o mundo for o espaço
    Onde cabe
    Um só abraço
    Então
    Jesus virá
    E será
    À flor de tudo
    O Redentor
    Universal
    (Quando o Homem quiser
    Será Natal)

    Manuel Sérgio

    -----------------
    Um abrço.

     
  • At 17 de dezembro de 2009 13:39, Blogger Tamara Queiroz said…

    Hey Fanuel!

    Saudade.

     
  • At 17 de dezembro de 2009 13:39, Blogger Tamara Queiroz said…

    Hey Fanuel!

    Saudade.

     
  • At 19 de dezembro de 2009 13:46, Blogger Janete Cardoso said…

    Eu to com o Rubinho! :)
    Mas gostaria de pedir perdão ao Cleinton, que parece magoado.

     
  • At 23 de dezembro de 2009 12:25, Blogger Rubinho Osório said…

    Cleinton, "no offense taken", mano. Fica na paz!

     

Postar um comentário

<< Home