26.9.08

Mais um blábláblá sobre religião

A palavra religião tem dois sentidos. O primeiro, diz respeito ao seu sentido organizado, que envolve templos, crenças, movimentos religiosos, símbolos ou idéias sobre Deus, atividades sacramentais e rituais. Se você consultar o dicionário, vai encontrar definições que se aproximam destas características.

Mas ainda há um outro sentido de religião, que significa qualquer coisa que uma pessoa leve a sério na vida. Alguma coisa pela qual você seria capaz de viver e morrer. O meu dicionário chega mais perto disso com uma definição para o vocábulo religião: “Modo de pensar ou de agir; princípios” (Aurélio). Mas esse tipo de sentido nada tem a ver com a linguagem “religiosa”. É tudo aquilo que arrebata alguém para além da sua condição humana.

Se lá em cima, estão todas as religiões organizadas e as espiritualidades, aqui embaixo estão, por exemplo, as artes em geral (pintura, música, literatura, et cetera). É claro que, na prática, o segundo sentido da palavra religião pode ser apropriado politicamente pelo primeiro, seja por uma pessoa, seja por um grupo. Mas o segundo sentido é sempre livre. Ele acontece, com ou sem as instituições, porque as artes são autônomas, enquanto as religiões tendem a ser heterônomas.

Religião tem esses dois sentidos. A nossa vida é uma ponte entre um sentido e outro, entre heteronomia e autonomia, entre religião organizada e outros sistemas de sentido, como as artes.

Marcadores:

7 Comentário(s):

  • At 26 de setembro de 2008 18:55, Blogger Marlene Maravilha said…

    Obrigada Felipe! Sempre somamos conhecimentos quando comparecemos aqui!
    beijo grande e um feliz final de semana!

     
  • At 26 de setembro de 2008 19:11, Blogger Janete Cardoso said…

    Sim!!! Todas as coisas que amamos livremente nos religa à Deus! Ele é amor e é dessa forma que se comunica conosco, o resto é blá, blá, blá.

    Alguma vez eu já disse que te amo?
    De novo!!! :D beijo

     
  • At 27 de setembro de 2008 00:53, Blogger Alysson Amorim said…

    "É tudo aquilo que arrebata alguém para além da sua condição humana."

    Seu conterrâneo mais ilustre disse certa vez:

    "Acho que a literatura, tal como as artes plásticas e a música, é uma das grandes consolações da vida, e um dos modos de elevação do ser humano sobre a precariedade da sua condição."

    Ainda bem que o passaporte ao ultraterreno não é privilégio de alguns poucos.

    Como alertava o Borges, a beleza é comum.

    Abraço.

     
  • At 27 de setembro de 2008 19:00, Blogger Bia said…

    Eu gosto dessa dupla possibilidade... Entre autonomia e heteronomia. Me lembra que mesmo não podendo ainda viver em plenitude, posso vivenciá-la. Fique em Deus!

    Bia - Deus e a Menina

     
  • At 28 de setembro de 2008 13:06, Blogger Paulo Sempre said…

    Sendo a religião uma relação dos indivíduos com os entes sobrenaturais, a sua descoberta através dos métodos científicos pode ser aleatória pela ausência de indicadores, tempos, cultos, objectos sacros, textos escritos. Afinal a religião só acidentalmente se deixa revelar aos profanos...
    Concordo com diz:
    «A nossa vida é uma ponte entre um sentido e outro, entre heteronomia e autonomia, entre religião organizada e outros sistemas de sentido, como as artes.»
    Porém, muitas vezes a vida não é só isso....

    Um grande abraço
    Paulo
    Portugal

    PS: conheci este blog através da Elsa Sequeira..

     
  • At 28 de setembro de 2008 19:48, Anonymous edson marques said…

    Felipe,


    Disseste tudo e dissete-o bem -- diria Machado.

    Arriscando agora, eu diria que a religião tem várias formas mas um só sentido.

    Ou três?!


    Abraços, flores, estrelas..

     
  • At 3 de outubro de 2008 21:40, Blogger Wilcomjc said…

    Olá querido,

    Graça, paz e Bem!

    Dediquei a você lá no blog um prêmio do qual seu blog é muito mais do que digno.

    Forte abraço!

     

Postar um comentário

<< Home