28.1.07

Um fracasso inspirador

O pintor holandês Vincent Willem Van Gogh (1853-1890) foi um fracasso em todos os sentidos enquanto esteve vivo. Tendo falhado na construção de uma família e de contatos socias, sequer foi capaz de custear a sua própria sobrevivência. Dessa maneira, acabou sendo marginalizado pela sociedade a ponto de sucumbir a uma doença mental. E a fama? Só veio depois de morto, após a exibição de suas obras em Paris. Justamente o público burguês, quem o havia desprezado, passou a apreciar o resultado de seu talento.

Post-scriptum: Esta imagem é "A Pair of Shoes", disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/imagem/go000002.jpg

Marcadores:

20 Comentário(s):

  • At 28 de janeiro de 2007 20:40, Blogger elsa nyny said…

    Olá Felipe!!!

    Pois é, uma tristeza, não se dar o devido valor ás pessoas enquanto elas estão or cá!! de lamentar esse facto!

    beijinhos!

    :))

    Ps - venho convidar-te para uma taça de champagne, aparece no meu cantinho!!!

    :))

     
  • At 28 de janeiro de 2007 21:06, Blogger Felipe Fanuel said…

    Oi Elsa,
    Sim, é lamentável. Será que quantas botas desgastadas ainda serão necessárias no mundo?

    Obrigado pelo convite. Já passei por lá.

    Tenha uma ótima semana. :)

     
  • At 29 de janeiro de 2007 01:52, Blogger Exemplo AVERA said…

    Não é de hoje que o ser humano não presta atenção no que está vivo. Só presta atenção em dinheiro vivo (rsrsrs)
    Quantas botas ainda serão necessárias? Boa pergunta...

    Um abraço

     
  • At 29 de janeiro de 2007 07:15, Blogger Felipe Fanuel said…

    Exemplo, obrigado pelo exemplo!(rsrsrs)

    Seja sempre bem-vindo!

     
  • At 29 de janeiro de 2007 09:59, Blogger Alysson Amorim said…

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

     
  • At 29 de janeiro de 2007 10:01, Blogger Alysson Amorim said…

    Amigo Felipe.

    No caso de Van Gogh e de tantos outros o fracasso maior foi da própria sociedade.

    Ocorre que com aquele pintor holandês a compreensão deste fracasso chegou, não tarde o suficiente para apagar o seu gênio, mas infelizmente não a tempo de encontrá-lo calçando suas botas maltrapilhas.

    Abraços!

     
  • At 29 de janeiro de 2007 10:33, Blogger Marlene Maravilha said…

    Olá Felipe! Obrigada pela tua visita no meu blog! Que honra!
    Gosto demais dos blogs porque aprendemos muito uns com os outros por menor que seja o aprendizado. E sempre é muito bom.
    O teu está recheado de coisas boas! Vou aprender bastante!
    Que Deus te abençoe!
    O texto é tremendo! Que bom seria se pudessemos valorizar sempre sem nunca desviar! Eu quero fazer diferença viva!
    Beijos da amiga,

     
  • At 29 de janeiro de 2007 10:36, Anonymous Priscila said…

    Belo e triste. Penso que da mistura destes dois itens podemos pensar Vincent Van Gogh. Sua preocupação com o outro é marcante em certa fase de suas obras. Dessa preocupação surgiam vários quadros lindíssimos sobre a vida cotidiana camponesa, o mais famoso deles: OS COMEDORES DE BATATAS. Neste quadro Van Gogh retrata a miséria e simplicidade de um povo que come o produto do suor de suas mãos: as batatas (pouquíssimas para várias pessoas). Em outro momento, de “loucura” (de amor, para alguns), unida a um preciosismo em retratar seu AUTO-RETRATOS, cortou sua própria orelha para presentear sua amada com um quadro perfeito. Vincent Van Gogh morreu, sem valor, sem reconhecimento, sem amor. Ficaram para nós botas desgastadas por uma luta sem retorno, e várias outras obras com as quais podemos nos deleitar, mas que devem principalmente trazer-nos à memória a importância da vida de cada pessoa ao nosso redor. Que voltemos mais o olhar e estendamos as maõs para o nosso próximo.

     
  • At 29 de janeiro de 2007 13:46, Blogger Alysson Amorim said…

    Ótimo comentário Priscila. Enriquecedor.

    Abraços.

     
  • At 29 de janeiro de 2007 14:04, Blogger Felipe Fanuel said…

    Alysson,
    Absolutamente! O fracasso é da própria sociedade. Calçamos tais botas cada vez que não somos capazes de pisar no chão.
    Abraço amigo.


    Oi Marlene,
    O privilégio é meu recebê-la aqui.
    Agradeço-lhe pelas palavras de apreço.

    Eu já havia lhe dito o quanto gostei tb do seu blog, que, permita-me dizer, é a sua cara.

    É verdade: valorizar enquanto é tempo.
    Bjos.


    Pri,
    Que surpresa! Seu comentário foi tão rico que pode até virar uma outra postagem. Interessante saber desta preocupação com o outro na pintura vangoghiana. Este destaque dele para o lado social é extremamente relevante para pensarmos hoje. Isso comprova o quão fora do seu tempo ele era. Obrigado por nos despertar para isso!

    Sua visita aqui foi muito preciosa. Creio que todos aprendemos muito.

    Bjo carinhoso. :-)

    P.S.: Acho que um dia eu vou perder a minha orelha. (rsrsrs)

     
  • At 29 de janeiro de 2007 15:23, Anonymous Edson Marques said…

    Felipe,


    quantos Van Gogh não existimos por aí...


    Mas gostei do que você escreveu sobre o amor nos comentários no blog Mude. Se, como você diz, quem diz amar, em verdade "supõe que ama", então, quem deixa de amar, rigorosamente, também "supõe que deixa de amar".

    Eu, de minha parte, só creio no amor livre. Se houver um pingo de restrição ao comportamente do outro, chame-se a relação de qualquer outra coisa, menos de amor!

    Abraos, flores, estrelas...

     
  • At 29 de janeiro de 2007 16:02, Blogger Felipe Fanuel said…

    Olá Edson,

    Vc está nos mostrando que Van Gogh e amor combinam perfeitamente. Ambos foram, são e serão livres!

    Abs.

     
  • At 29 de janeiro de 2007 17:45, Blogger Exemplo AVERA said…

    Valeu
    Vou linkar seu blog lá no "Em sã consciência" , blz?

    Abraço

    Valmir Exmpl

     
  • At 29 de janeiro de 2007 18:34, Blogger Felipe Fanuel said…

    Obrigado, Valmir.

     
  • At 30 de janeiro de 2007 01:04, Blogger Tamara said…

    É por isso que eu prefiro muito mais o fim de alguma coisa do que o seu próprio começo. Mas eu sei dar valor a quem tem, pena que eu não sou ninguém no meio da multidão...

    B-joletas, Fanuel.

     
  • At 30 de janeiro de 2007 04:12, Blogger elsa nyny said…

    Olá Felipe!!!

    Passo a correr...porque tenho que "voar"!!!
    Não queres voar também?
    Aparece lá em Portugal!!!

    Tudo de bom!!

    :))

     
  • At 30 de janeiro de 2007 07:57, Blogger Felipe Queres said…

    Fanuel meu amigo,
    Espero que permaneçamos ignorados, e nem tão cedo reconhecidos. Só assim seremos capazes de em nossa arte, ser nada mais do que somos.

    Quando nada se espera de alguém, não existe o medo de ser tudo o que queremos e o que podemos ser, com Paixão e de forma Cristalina, simplesmente Ser.

    Quando muito se espera do artista, quão difícil é não se submeter ao que esperam. Quão difícil é não adequar o som da minha viola, o movimento do pincel ou a entonação da minha fala enquanto interpreto MAcbeth, aos ouvidos e olhos da platéia.

    Então peço, que sejamos por muito ignorados, e se um dia mesmo que tardiamente perceberem que houve em nossa existência algo que mereça ser lembrado, que o façam, se não perceberem, então, melhor será que nos esqueçam.

    Até lá, não haverá medo, de tão somente ser sincero.

    O blog está ótimo, a partir de agora vou participar...

    Abração

     
  • At 30 de janeiro de 2007 12:40, Blogger Felipe Fanuel said…

    Tamara,
    Todos somos "ninguém no meio da multidão"... Suspeito que todo fim tem gosto de começo. :-)

    Elsa,
    Vou voar sim. Daqui a pouco chegarei em Portugal! rsrs

    Queres,
    Obrigado por nos lembrar que é melhor permanecer no esquecimento do que ser obstinado a ponto de esquecermos da nossa própria essência de artista — a despretensão. Excelente!
    Seja sempre bem-vindo!

     
  • At 30 de janeiro de 2007 15:29, Blogger Andreia do Flautim said…

    Pois é, o mal é que os grandes génios só lhes é dado o devido valor quando já morreram!

     
  • At 30 de janeiro de 2007 19:32, Blogger Felipe Fanuel said…

    Triste fim.

     

Postar um comentário

<< Home